Depois de superar em mais de 100% a meta de vacinação contra H1N1, Limoeiro de Anadia abre agora o calendário de vacinação contra o vírus do Sarampo. A partir do dia 3 de agosto, pessoas de 20 a 39 anos de idade devem comparecer ao posto de saúde mais próximo com seu cartão de vacinação para garantir a imunização contra a doença. A campanha segue até o dia 31 de agosto.

Em tempos onde a saúde se torna uma das maiores urgências em todo o mundo, a atenção com a imunização dos limoeirenses continua intensa. De acordo com a coordenadora de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde, Nirly Fernanda, é preciso ter um olhar ainda mais amplo sobre os cuidados necessários. “Considerando que que a circulação do vírus do Sarampo se mantém ativa, e diante das baixas coberturas vacinais em todo o país, é possível afirmar que há um elevado número de pessoas suscetíveis”, relata, reforçando que em Alagoas há três casos confirmados.

Até o momento, não há nenhum caso de Sarampo identificado em Limoeiro. No entanto, é preciso reforçar a imunização para que a situação se mantenha sob controle. “Devemos ter preocupação e precaução. As doenças estão aí. Não só o Coronavírus que temos que enfrentar, como outras doenças também. Já tivemos vacina contra Influenza, Gripe H1N1, agora é Sarampo. Vamos nos cuidar, nos prevenir”, explicou.

Para receber a vacina, basta que o usuário se dirija ao posto de saúde mais próximo, portando documento de identidade e cartão de vacinação

Superando a meta contra Influenza

Este já é o segundo calendário de vacinação cumprido no Município em 2020. Em junho deste ano, a Coordenação de Imunização atingiu 100,72% da meta de vacinação contra Influenza, imunizando 6.676 pessoas inclusas no calendário. Uma semana antes do fim do prazo, 90,08% das crianças haviam sido vacinadas, além de 102,3% das gestantes, 115,77% trabalhadores de saúde, 108% puérperas, 94,17% adultos de 55 a 59 anos, além de 109,64% dos idosos cuja meta foi estabelecida.

“Todos se esforçaram muito se empenharam. Nessa pandemia que a gente está vivendo percebi que todas as equipes se doaram ao máximo que podia. Na primeira etapa, vacinamos toda a população idosa em suas residências. Os idosos procuravam bem a vacina, querendo tomar muito. No ano passado não era assim. Muitos se recusavam. Esse ano, eles que procuraram os postos de saúde e unidades. E a gente dizia “calma, vai chegar na sua casa’. Atribuo a todos esse sucesso”, reforçou a coordenadora.