Projeto beneficia agricultores familiares do município e se tornará referência para visitas e pesquisas no Estado

Uma iniciativa em Alagoas mostra como a sustentabilidade pode ser concreta, rica e disponível para a comunidade, desde que haja esforços, estudos e disposição do poder público. O sistema de agrofloresta sintrópica de Limoeiro de Anadia, que integrará as novas instalações do Centro Educacional no povoado de Genipapo, recebeu nesta semana a visita de representante da Secretaria do Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e de pesquisador da Universidade Federal de Alagoas, reforçando ainda mais o projeto com as parcerias.

Antes da visita, o secretário municipal de Agricultura, Zezinho Niraldo, e o secretário municipal de Meio Ambiente, Valte Luccas, receberam o assessor técnico da Semarh, Adolfo Barbosa, e o professor doutor José Roberto,da Universidade Federal de Alagoas, na escola Municipal Benício Ferreira, no povoado do Cadoz. A visita também foi acompanhada por técnicos das secretarias e educadores da Comissão de Meio Ambiente Com-Vidas da Secretaria Municipal de Educação. Na oportunidade, não só o ineditismo do projeto foi apontado, como diversas outras recomendações e parcerias foram firmadas para estruturação do projeto da agrofloresta.

Importância social, educação ambiental e transformação sustentável

Com o projeto iniciado desde outubro em 2019, foi intensa a mobilização das três secretarias municipais – de Agricultura, Meio Ambiente e Educação – para colocar em prática o sistema inovador da Agrofloresta. Foi assim que, em junho deste ano, agricultores familiares do povoado de Genipapo iniciaram o plantio de mudas de uma parte do território destinado para que pudessem realizar o plantio de roça para subsistência e cujo excedente poderá ser vendido à Prefeitura através do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Os trabalhadores rurais também se responsabilizaram pelo cuidado com a agrofloresta, cujas terras terão plantios de espécies nativas e outras também frutíferas.

No dia da entrega, o prefeito Marcelo Rodrigues destacou os impactos sociais positivos do projeto. “Num único projeto conseguiremos alcançar resultados importantes nas áreas ambiental, agrícola e, principalmente, social. O projeto poderá ser a principal fonte de renda dessas pessoas, que a partir de agora estão autorizadas a utilizarem essas terras e trabalharem de forma digna e com a garantia do escoamento de toda produção excedente”, afirmou. A matéria completa pode ser visualizada clicando aqui.

Nesta quinta-feira, o secretário municipal de Meio Ambiente, Valter Luccas, também reforçou sua importância. “Vai beneficiar os estudantes, tanto de Limoeiro, como de vários outros lugares que vão vir visitar e pesquisar, como também vai beneficiar os agricultores que abraçaram a causa e vão cuidar da floresta. Vai ser também um centro de visitação por ser um projeto piloto”, explicou.

A secretária municipal de Educação, Glauciane Veiga, trouxe à tona como uma agrofloresta dentro do Centro Educacional vai ser estratégico para aproximar estudantes de uma formação ambiental. O objetivo é ensinar desde cedo a crianças e adolescentes que é possível conciliar uma alimentação saudável com o máximo de componentes nutricionais, sem esgotar o solo, a água é o ambiente local. Queremos mostrá-las que é possível devolver à natureza aquilo que se retira dela, plantando sementes que no futuro se tornarão floresta produtiva”, relatou. “Queremos resgatar saberes, produzir conhecimento e enriquecer com práticas e valores para a transformação da agricultura, por meio da agrofloresta”.