Prefeito de Limoeiro de Anadia expõe como renda básica municipal associada à moeda local eletrônica tem auxiliado município a enfrentar período de crise mundial do Coronavírus

Quando a economia solidária se apresentou como solução para uma série de desafios enfrentados por pequenos produtores ou municípios ainda muito dependentes de recursos federais, nunca se imaginou que uma pandemia iria se alastrar colocando todas essas ações em um campo ainda mais estratégico e urgente. Em Limoeiro de Anadia, o projeto que aglutina o Banco Comunitário de Desenvolvimento, a moeda social eletrônica Livre, e o programa social Renda Melhor, se tornou uma das principais políticas impulsionadas pela Prefeitura. Neste dia 9 de junho, seu exemplo será apresentado nacionalmente durante o 5º Encontro Nacional Da Rede Brasileira De Bancos Comunitários, que terá como tema “O novo agora, durante e pós-pandemia”.

O evento online acontecerá nos dias 8 a 12 de junho, e tem como objetivo, segundo a organização, analisar o cenário atual e os desafios interpostos pela pandemia do Covid-19 e proporcionar um intercâmbio de experiências entre as iniciativas do país que utilizam as finanças solidárias e o aplicativo da plataforma E-dinheiro.

O prefeito de Limoeiro de Anadia, Marcelo Rodrigues, foi convidado a apresentar o exemplo de Limoeiro, e pretende expor como o município situado no agreste alagoano – que possui uma população de pouco mais de 28 mil habitantes, com 6,8% do contingente ocupado, e com 54,6% com com rendimento per capita de até meio salário mínimo – conseguiu, com recursos próprios, colocar em prática um projeto de finanças solidárias que já surge equipado com um programa social, neste caso, o Renda Melhor. A palestra tem como tema: “Renda Básica Municipal através dos Bancos Comunitários: A Experiência de Maricá-RJ e de Limoeiro de Anadia-AL”, e contará ainda com a participação do Secretário de Economia Solidária de Maricá, Zé Carlos, do ex-senador e vereador de São Paulo, Eduardo Suplicy, que também é presidente de honra da Rede Renda Básica da Cidadania.

Economia Solidária e a estratégia de combate à pobreza

De acordo com o prefeito, o projeto impulsionado pela prefeitura já iniciou tendo como foco o combate à desigualdade e à pobreza, e foi amadurecido em reuniões e capacitações durante quase dois anos antes de ser posto em prática, em dezembro de 2019, contando com a força-tarefa envolvendo uma série de atores e instituições, como a Universidade Federal de Alagoas, campus Arapiraca, e membros da sociedade civil organizada, como a Associação de Mulheres do Cadoz.

Através da Moeda Social Eletrônica Livre, moeda própria de Limoeiro que utiliza cartões com aplicativo E-dinheiro, os recursos circulam exclusivamente no município, de modo a fortalecer a economia local. Ao instituir o programa social Renda Melhor, destinado a famílias inseridas no CadÚnico e que estão nos patamares mais baixos de renda, a Prefeitura possibilitou maior acesso ao consumo, ao tempo em que garantiu que as compras fossem realizadas dentro de Limoeiro, valorizando o trabalho de comerciantes e produtores locais, seu consequente crescimento, e a arrecadação no próprio município.

“Possuir uma moeda própria, programa social e um banco comunitário que a estruture, significa para nós desenvolver políticas públicas e sociais que têm o objetivo principal de combater a desigualdade social, também instituindo uma cultura por meio de práticas econômicas que valorizam a participação coletiva, autogestão, cooperação, democracia e a preservação do meio ambiente”, relatou Marcelo Rodrigues. “E, no campo mais imediato, traz mais empregos, porque os comerciantes e empresários têm um retorno rápido com o aumento das vendas, já que a moeda só circulará dentro do município, impulsionando o comércio local”.

Serviço:

Evento: 5º Encontro Nacional da Rede Brasileira de Bancos Comunitários
Datas: 8 a 12 de junho de 2020
Local:  5encontroredebancos.com.br  (online)
Youtube: Canal Instituto Palmas